Noticias

09 de outubro de 2019

LIneA Bootcamp: Uma experiência bem sucedida

Durante a semana de 2 a 6 de setembro (Figura 1) foi realizada a reunião LIneA Bootcamp promovida pelo INCT do e-Universo para o treinamento de novos membros associados a projetos astronômicos como o SDSS, DES, DESI, LSST e TON. Foi uma intensa semana com mais de 40 atividades entre apresentações, tutoriais e sessões práticas sobre o LIneA, seus serviços e suas ferramentas. A reunião contou com mais de 30 participantes de diferentes estados e instituições brasileiras, como Espírito Santo (UFES), Brasília (UnB), Paraná (UFTPR, UEPG), São Paulo (USP, UNESP) e Rio Grande do Sul (UFRGS, UFSM). A reunião foi organizada para atender a um pedido expresso por membros do comitê executivo do LIneA e por vários participantes da enquete realizada pelo LIneA no começo do ano.

Figura 1: Agenda do encontro das 44 atividades programadas. O número da sessão deve ser usado para identificar a apresentação disponível no site.

O objetivo principal do primeiro dia foi apresentar o LIneA como um todo e procurar conhecer mais sobre seus afiliados. Uma das palestras de introdução ao LIneA foi dividida em duas partes sendo que no primeiro dia o foco foi sobre a experiência da equipe em projetos de grande porte, sua história, organização, projetos internacionais apoiados e a estratégia adotada para promover a participação de pesquisadores brasileiros nestes projetos baseada na oferta de serviços e de sistemas de software.

Também foi apresentada a missão do INCT do e-Universo, sua relação com o LIneA e seu impacto na consolidação do trabalho sendo executado pelo laboratório. Esta apresentação foi seguida de um tutorial de como se filiar ao laboratório, explicando o porquê das informações solicitadas no processo de registro sendo construído. Esta informação é usada para alimentar as interfaces de gestão do LIneA e do INCT e o sistema de autenticação/autorização sendo implantado. Este sistema é fundamental para permitir a gestão de recursos e acesso a dados e serviços em função do projeto e do tipo de usuário. Em particular, foi apresentado o projeto em andamento para a implantação de uma nova landing page que permitirá o acesso rápido, seguro e controlado a todos os serviços e aplicações disponíveis para usuários filiados ou não a partir do site do LIneA. Também houveram apresentações sobre a arquitetura da infraestrutura computacional do LIneA e sobre os serviços disponibilizados. A figura 2 mostra um mosaico dos apresentadores que representaram o LIneA durante este primeiro dia. Estas apresentações, como todas as outras da semana, podem ser encontradas no site do LIneA.

Figura 2: Fotos das palestras realizadas no primeiro dia de reunião pelos seguintes membros do LIneA: 1) Carlos Adean (LIneA), 2) Adriano Pieres (INCT/ LIneA), 3) Julia Gschwend (ON/ LIneA), 4) Luiz Nicolaci (LIneA), 5) Guilherme Soares (LIneA), 6) Adriano Pieres (INCT/LIneA), 7) Fernanda Massena (LIneA) e 8) Cida Silveira (LIneA). Créditos das imagens: Fernanda Massena e Isadora Bicalho.

Complementando as apresentações feitas pela equipe do LIneA, os participantes de fora foram convidados a falar brevemente sobre seus projetos científicos, suas necessidades e sobre como o LineA poderia ser útil ao seus trabalhos. Isto foi feito para levantar tópicos que serviram de insumos para uma atividade programada para o último dia do evento (vide abaixo). Foram 14 palestras (uma remota), realizadas pelos pesquisadores apresentados na figura 3. O final do dia consistiu de uma sequência de tutoriais e atividades práticas relacionadas ao uso de Jupyter Notebooks.

Figura 3: Apresentações feitas por participantes de fora: 1) Remotamente Rafael Cirolini (UFSM), 2) Tassia Fereira (UFES), 3) Rodrigo Silva (UFES), 4) Maria Gabriela Moreira (UNESP), 5) Gabriela Ilha (UFSM), 6) Rafael Gomes (USP) , 7) Pedro Baqui (UFES), 8) Otavio Alves (UNESP), 9) Altair Gomes (UNESP), 10) Sandro Vitenti (UnB), 11) Derisnei Reis (UEPG), 12) Mariana Vitenti (UnB), 13) Diogo Souza (UFRGS) e 14) Daniel Gomes (USP). Crédito das imagens: Fernanda Massena.

O segundo dia do evento também foi dividido em duas partes – a primeira com apresentações feitas pela equipe do LIneA e a segunda com a realização de atividades práticas. Pela manhã, a segunda parte da palestra de introdução ao LIneA incluiu:

i) uma apresentação do esforço feito na área de desenvolvimento de software descrevendo as ferramentas e os portais desenvolvidos;

ii) uma rápida descrição das interfaces de gestão criadas para monitorar as finanças e as métricas usadas para monitorar o desempenho do LIneA e do INCT;

iii) uma descrição sobre os projetos apoiados e publicações acumuladas ao longo dos anos;

iv) informações sobre a formação de pessoal e as atividades de divulgação feitas para cientistas e para o público em geral; e

v) o que é esperado dos afiliados em termos de contribuições que podem dar para o funcionamento do LIneA.

Esta palestra foi seguida por apresentações e tutoriais sobre as ferramentas colaborativas e aquelas desenvolvidas para os projetos DES e DESI como Quick Reduce, o LIneA Science Server e o Quick Look Framework.

O final do segundo dia foi dedicado a criação e uso de Jupyter notebooks, considerando diferentes aplicações. Esta atividade foi particularmente de interesse para o LIneA já que este é um serviço previsto para ser oferecido não só para os membros das diferentes colaborações mas também para o público em geral. Os apresentadores e coordenadores das sessões de hack podem ser vistos na figura 4.

Figura 4: 1) Michel Aguena (INCT/LIneA), 2) Luiz Nicolaci (LIneA), 3) Glauber Costa (LIneA), 4) Slide mostrando a interface LIneA Science Server, 5) Rodrigo Boufleur (ON/LIneA), 6) Cristiano Singulani (LIneA), 7) Andrea Nunes (LIneA), 8) Felipe Oliveira (INCT/UNESP/LIneA) e 9) Adriano Pieres (LineA). Crédito das imagens: Fernanda Massena.

O terceiro dia foi dedicado ao uso da infraestrutura do LIneA para processamento usando seus clusters e o tempo do LIneA no supercomputador Santos Dumont, para avaliar qual seria a melhor distribuição das tarefas. O portal científico desenvolvido para o projeto DES, que servirá de base para o LSST, também foi apresentado e um tutorial para a integração de novos algoritmos nesta arquitetura foi feito, introduzindo os conceitos básicos para a criação de um pipeline científico. Um caso de interesse para ser integrado ao portal foi apresentado por Sandro Vitenti, da Universidade de Brasília (UnB), que descreveu a biblioteca NumCosmo: Numerical Cosmology Library, desenvolvida pelos pesquisadores da Universidade de Brasília, que complementa as bibliotecas COSMOSIS e CCL desenvolvidas para o DES e LSST.

Um dos importantes projetos do LIneA é usar a experiência adquirida com o processamento dos dados do DES para desenvolver um novo portal para o LSST resolvendo problemas de desempenho encontrados atualmente e o salto quantitativo no volume de dados. Neste sentido, ao longo do último ano problemas com o atual portal vem sendo levantados e reportados à Comissão de Controle de Mudanças que, em geral, têm sido traduzidos em requisitos para um novo portal. Os requisitos já levantados para o desenvolvimento do Portal 2ª Geração foram apresentados, procurando familiarizar todos participantes com os desafios que serão enfrentados para processar eficientemente o grande volume dados do LSST que em um ano de observação será da ordem de 50 vezes maior do que os dados de seis anos do DES.

Para facilitar o trabalho dos novos membros, uma visão geral da organização da documentação do LIneA também foi apresentada, onde destacaram a importância de manter estes documentos como um legado para as próximas gerações de pesquisadores.

Os palestrantes do terceiro dia podem ser vistos na Figura 5 (a ordem das fotos não representa a ordem das apresentações).

Figura 5: Os palestrantes do terceiro dia da reunião foram os seguintes:. 1) Cida Silveira (LIneA), 2) Carlos Adean (LIneA), 3) Maria Luiza Sanchez (LIneA), 4) Cristiano Singulani (LIneA) e Lucas Nunes (LIneA), 5) Adriano Pieres (INCT/LIneA), 6) Carlos Adean (LIneA) e Valter Lima (LIneA), 7) Michel Aguena (INCT/LIneA), 8) Sandro Vitenti (UnB), 9) Adriano Pieres (INCT/LIneA),10) Hugo Camacho (USP), 11) Valter Lima (LIneA) e Julia Gschwend (ON/LIneA). Crédito das imagens: Fernanda Massena.

Na reunião foram distribuídas camisetas que foram usadas para a foto oficial do evento (Figura 6).

Figura 6: Foto com os participantes do 1º LIneA Bootcamp. Créditos da imagem: Christianne Garnier.

No quarto dia do evento foram feitas apresentações por pesquisadores envolvidos nas diferentes colaborações científicas (DESI, SDSS, TON, DES e LSST), descrevendo os objetivos científicos dos diferentes projetos e a estrutura e funcionamento dos respectivos grupos de participação. Estas apresentações foram complementadas por outra descrevendo todas as atividades científicas promovidas pelo LIneA como lunch talks, webinars, hotspot para resumo de telecons e a reunião semanal de alinhamento, onde um resumo das novidades e atividades da semana é feito por diferentes membros da equipe.

A parte da tarde foi dedicada a familiarizar os novos membros sobre o processo de redução de imagens da câmera DECam utilizada no levantamento DES com uma apresentação do pesquisador Robert Grundl do NCSA, descrevendo em grande detalhe todo o tratamento feito e os produtos primários criados pelo time que gerencia os dados do DES no NCSA. Em seguida foram feitas apresentações pela equipe do LIneA sobre o processo de preparação do dados que antecede a criação de catálogos prontos para análise científica conduzidas no LIneA usando o portal científico. Isto foi feito usando como motivação a quarta e última liberação de dados para os colaboradores. Neste release o conjunto de dados inclui pela primeira vez o sexto e último ano do projeto DES. O dia terminou com três sessões hands-on envolvendo a validação de imagens do DES Y6 e de catálogos do mesmo levantamento usando a ferramenta LIneA Science Server.

Figura 7: 1) Felipe Oliveira (INCT/UNESP/LIneA), 2) Jaderson Schimoia (UFSC), 3) Julio Camargo (ON), 4) Basílio Santiago (UFRGS), 5) Adriano Pieres (INCT/LIneA), 6) Luiz Nicolaci (LIneA), 7) Adriano Pieres (INCT/LIneA), 8) Robert Gruendl (NCSA), 9) Julia Gschwend (ON/LIneA), 10) Adriano Pieres (INCT/LIneA) e 11) Michel Aguena (INCT/LIneA). Créditos das imagens: Fernanda Massena.

No último dia foram abordados temas de interesse no contexto do LSST associados ao grande volume de dados que serão gerados por este projeto como:

i) a transferência de grandes volumes de dados, quando foram reportados testes sendo realizados entre nos trechos LNCC-NCSA e LNCC-Santiago;

ii) a utilização de máquinas virtuais, containers e kubernetes que possam permitir o uso de diferentes plataformas para a análise de dados em particular para avaliar a possível integração do portal científico e o Santos Dumont para processos envolvendo simulações e MPI; e

iii) a ciber infraestrutura para apoio à e-ciência, contando com a participação de Alex Moura da RNP.

Em particular, a ideia da criação de um centro de suporte de e-ciência é um elemento importante na discussão da implantação de um centro independente de acesso aos dados do LSST no Brasil.

Outro tema abordado no evento foram as atividades de educação e divulgação científica, e um assunto de particular interesse foi a apresentação do projeto de construir uma rede nacional de telescópios instalados em escolas de ensino médio espalhadas pelo território nacional, para participar de experimentos de ocultação estelar. Como o projeto terá que envolver pessoas nas diferentes localidades, este será um bom modelo para promover a ciência cidadã.

Finalmente, na última palestra do evento foi apresentado o plano de longo prazo do LIneA que vem sendo discutido há alguns anos com um Grupo de Trabalho indicado pelo MCTIC. Tendo em vista as características particulares do trabalho desenvolvido pelo LIneA, que diferem das missões dos institutos de pesquisa existentes, está sendo proposta a criação de uma associação para levar adiante este trabalho. Na palestra foram apresentadas as propostas sobre organização, órgãos colegiados, equipe e planos futuros com foco no apoio a ser dado para os novos projetos científicos como DESI e LSST.

Figura 8: 1) Alex Moura ( RNP), 2) Remotamente Gustavo Rossi (LIneA), 3) Erica Nogueira (LIneA), 4) Luiz Nicolaci (LIneA) 5) Slide da apresentação LIneA: Future por Luiz Nicolaci (LIneA), 6) Jeferson Souza (LIneA /RNP). Crédito das imagens: Fernanda Massena.

A reunião terminou com uma atividade de grupo que dividiu os participantes em pequenos grupos com interesses científicos similares, com cada grupo ficando responsável por elaborar em separado um projeto de pipeline para futura implementação no portal científico. Os projetos foram então apresentados para todos os participantes. A ideia foi mostrar na prática e de forma informal o que o time de TI espera quando solicitado a integrar um novo algoritmo no portal, o que exige um documento específico.

Figura 9: Apresentação dos resultados da dinâmica de grupo para modelar novos pipelines científicos. Nas fotos estão os cinco grupos que participaram da atividade e uma das coordenadoras da sessão. As fotos mostram: 1) Maria Gabriela Moreira (UNESP) e Tassia Ferreira (UnB), 2) Felipe Oliveira (IUNESP) e Martin de Los Rios (ICTP-SAIFR), 3) Pedro Baqui (UFES), Rafael Gomes (USP), Otavio Alves (UNESP) e Mariana Vitenti (UnB), 4) Gabriela Ilha (UFSM), Jaderson Schimoia (UFSC) e Isadora Bicalho (INCT/LineA), 5) Julia Gschwend (ON/LIneA), 6) Daniel Gomes (USP) e Rodrigo Silva (UFES), 7) Sandro Vitenti (UnB) e Hugo Camacho (UNESP), 8) Bruno Morgado (ON), Altair Gomes (UNESP), Marcelo Emílio (UEPG), Rodrigo Boufleur (ON/LIneA) e Derisnei Reis (UEPG). Crédito das imagens: Fernanda Massena.

A experiência da semana foi muito positiva por várias razões. Em primeiro lugar, permitiu que todos interagissem por uma semana, facilitando futuras colaborações. Segundo, foi uma oportunidade de todos conhecerem de perto o trabalho de fundo do LIneA, seus métodos de trabalho e como cada um pode colaborar para o sucesso do empreendimento. Além disso, foi uma oportunidade de todos avaliarem de perto como podem se beneficiar da infraestrutura do laboratório nos seus estudos e nas suas atividades de pesquisa. O sucesso da reunião mostrou a importância de organizar eventos semelhantes periodicamente, e ao fim do evento foi circulado uma enquete de avaliação do evento e de sugestões que serão levadas em consideração nas próximas edições.

LIneA e o INCT do e-Universo tem como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey (DES), Sloan Digital Sky Survey (SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI), e o LargeSynoptic Survey Telescope (LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). As atividades do LIneA vem sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.




03 de outubro de 2019

Brasileiros organizam campanha para observação de satélites de Júpiter

A cada 6 anos, a Terra e o Sol passam pelo plano da órbita dos satélites principais de Júpiter. Nestas ocasiões ocorrem, para os observadores na Terra, eclipses e ocultações mútuas dos satélites. Entre outubro 2014 e julho de 2015 Júpiter esteve nessa configuração específica. A Figura 1 contém um conjunto de imagens de uma ocultação mútua entre Io e Calisto que aconteceu em novembro de 2014, nestas imagens Calisto encobriu Io aproximadamente às 06:01 UTC.

Figura 1: Ocultação mútua entre os satélites Io e Calisto em 02 de novembro de 2014. Crédito da imagem: Astronomy Picture of the Day (APOD).

Para analisar estes eventos é medida a variação do fluxo de luz ao longo do tempo, gerando o que é conhecido como uma curva de luz. Da análise das curvas de luz destes eventos são obtidos com precisão os parâmetros geométricos ligados ao movimento relativo dos satélites envolvidos. A Figura 2 contém o modelo de uma ocultação mútua e a respectiva curva de luz modelada.

Figura 2: Modelo da ocultação mútua entre os satélites Europa e Io em 22 de fevereiro de 2015. Crédito da imagem: Bruno Morgado

Em trabalho aceito para publicação no Planetary and Space Science, o doutorando Bruno Morgado (Observatório Nacional e LIneA) e colaboradores apresentaram os resultados da campanha brasileira dos fenômenos mútuos de 2014-2015 e uma re-análise dos eventos de 2009. Os resultados obtidos contaram com 47 observações em 2014-2015 e a precisão alcançada foi da ordem de 30 km na posição relativa entre os satélites. Estas posições podem melhorar o conhecimento das órbitas e efemérides dos satélites galileanos e, portanto, ser útil para o planejamento de futuras missões espaciais, como a missão JUICE (ESA) e Europa Clipper (NASA). O artigo completo também pode ser encontrado no Arxiv.

Esta campanha é uma colaboração nacional e contou com observações feitas em  três telescópios, com aberturas entre 25 e 60 cm: o Observatório do Pico dos Dias (OPD), o Polo Astronômico Casimiro Montenegro Filho e o Gaturamo Observatório Astronômico (GOA). Ela reforça tambem a importância da colaboração entre diversos institutos, incluindo observadores amadores. O doutorando Bruno Morgado é bolsista CAPES e é participante do Transneptunian Occultation Network (TON), que é apoiado pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia do e-Universo (INCT do e-Universo).

O LIneA e o INCT do e-Universo têm como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey (DES), Sloan Digital Sky Survey (SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument ( DESI), e o Large Synoptic Survey Telescope (LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). As atividades do LIneA vêm sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.




02 de outubro de 2019

Pesquisadores do LIneA recebem apoio do projeto DES

Comunicamos que três membros do LIneA (Figura 1), pertencentes ao consórcio DES-Brazil receberam auxílio do projeto Dark Energy Survey para participar da reunião internacional da colaboração a ser realizada em novembro na Universidade de Sussex, UK. Esses pesquisadores representam diferentes áreas de pesquisa (sistema solar, Via Láctea e redondezas, evolução de galáxias) sendo que dois deles participam desta reunião pela primeira vez. A participação destes pesquisadores foi também viabilizada com recursos do INCT do e-Universo. As reuniões da colaboração neste ano são particularmente importantes pois serão discutidos os planos para a última fase do projeto DES, tendo em vista que a região do céu planejada para o levantamento já foi completamente imageada e os dados compilados em seis anos de observação estão sendo liberados internamente para a colaboração.

Figura 1: Pesquisadores do LIneA agraciados com o auxílio do projeto DES para participarem da próxima reunião internacional da colaboração a ser realizada na Inglaterra. Da esquerda para a direita: Adriano Pieres, Julia Gschwend e Rodrigo Boufleur.

Além dos pesquisadores acima citados, ao longo dos anos muitos outros estudantes e pós-doutorandos do consórcio DES-Brazil, trabalhando em outros tópicos, receberam este auxílio entre os quais Eduardo Balbinot, Felipe Oliveira, Hugo Camacho, Hillysson dos Santos e Michel Aguena. Este é um programa que usa recursos da colaboração para apoiar a participação de jovens pesquisadores nas reuniões da colaboração. Os projetos DESI e LSST também têm programas semelhantes que já beneficiaram vários jovens pesquisadores filiados ao LIneA, que em conjunto com os recursos fornecidos pelo INCT do e-Universo tem permitido a internacionalização de nossa comunidade.

O LIneA e o INCT do e-Universo tem como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey (DES), Sloan Digital Sky Survey (SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI), e o LargeSynoptic Survey Telescope (LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). As atividades do LIneA vem sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.




30 de setembro de 2019

Afiliados ao LIneA participam da XLIII reunião da SAB

De 9 a 12 de setembro de 2019 ocorreu a XLIII reunião anual da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB), na Universidade de São Paulo (USP), que reuniu mais de 200 cientistas de várias partes do Brasil e do mundo. Neste ano, além da tradicional mostra de pôsteres e palestras, houve a participação de cientistas internacionais como James Binney, Chris Sneden, Marta Volonteri, Tim Heckman e Xavier Barcons, representante do ESO. Para a abertura da solenidade foi convidado o professor Ricardo Galvão, ex-diretor do INPE, que saudou todos os presentes com seu discurso.

O LIneA também participou da reunião da SAB através do pós-doutorando do INCT do e-Universo Adriano Pieres (Figura 1).. Ele apresentou uma palestra a respeito da comparação das estrelas nos três primeiros anos da colaboração do Dark Energy Survey (DES) com modelos do Trilegal, onde os parâmetros do disco espesso e do halo da Galáxia foram ajustados. O resultado foi submetido em um artigo na revista Montly Notices of the Royal Astronomical Society e foi inteiramente desenvolvido e incorporado ao portal científico do LIneA.

Outra participante do LIneA na reunião da SAB foi a doutoranda Gabriele da Silva Ilha, com o trabalho entitulado “Os primeiros 62 AGN observados com o SDSS-IV MaNGA “, apresentado na forma de um pôster.

Figura 1: Adriano Pieres, pós-doutorando afiliado ao LIneA. Crédito das imagens: SAB.

Figura 2: Participantes do evento da XLIII reunião anual da Sociedade Astronômica Brasileira. Crédito das imagens: SAB.

O LIneA e o INCT do e-Universo tem como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey (DES), Sloan Digital Sky Survey (SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI), e o LargeSynoptic Survey Telescope (LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). As atividades do LIneA vem sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.




Afiliado ao INCT do e-Universo participará de reunião sobre o LSST na Califórnia

Se por um lado alguns astrônomos lidam diariamente com grandes bases de dados e desenvolvem soluções inteligentes para extrair o que há de mais interessante nos mesmos, por outro lado correm o risco de não acompanhar os passos largos que virão na era LSST. O LSST, acrônimo para Large Synoptic Survey Telescope, é um projeto que envolve diversas instituições – com o LIneA representando o Brasil – e promete revelar o universo em uma profundidade sem precedentes. Isso significa dizer também que o volume de medidas tomadas como imagens do céu também será sem precedentes. Serão 30 mil graus quadrados do céu observados a cada quatro noites. Se pensarmos a longo prazo, teremos um filme do céu que revelará explosões estelares, galáxias distantes, novos asteróides entre outras coisas interessantes.

Tanta informação exige sistemas automáticos que sejam capazes de nos fornecer uma pré-seleção de potenciais objetos interessantes, pois milhões de eventos, chamados transientes (variações súbitas no brilho ou na posição de objetos), ocorrem todas as noites. O LIneA em conjunto com outros laboratórios e instituições distribuídas pelo globo vem desenvolvendo soluções para gerenciar a avalanche de dados, prover análises e disponibilizar soluções para levantamentos como o Dark Energy Survey – DES e o Sloan Digital Sky Survey – SDSS.

Embora a maioria destas ferramentas tradicionalmente esteja voltada ao estudo galáctico e extragaláctico, medidas do DES permitiram desenvolver estudos sobre objetos do Sistema Solar. Todo um portal de análise de dados foi desenvolvido para prover a predição de ocultações estelares. Essa plataforma está evoluindo para processar parte dos 10 milhões de alertas de transientes que serão produzidos todas as noites pelo LSST. Devido a esta iniciativa, de utilizar todo o ferramental e de integrar o que já sabemos fazer com o que haverá de mais novo, que o pesquisador pós-doc Rodrigo Boufleur conquistou uma vaga para participar do TOM Toolkit Workshop, uma oficina de introdução às principais tecnologias que impulsionarão a astronomia na era LSST utilizando medidas como a do Zwicky Transient Facility – ZTF.

O sistema TOM Toolkit oferece aos usuários uma maneira de exibir e interagir com seus dados por meio de um navegador ou interface de usuário. Esses sistemas estão evoluindo rapidamente e se tornando mais eficazes e serão capazes de enviar solicitações de observações para sítios observacionais coletarem medidas adicionais. Quando acoplados aos softwares desenvolvidos, por exemplo, pela equipe do LIneA, esses sistemas serão capazes de conduzir estratégias, e também programas, de acompanhamento totalmente automatizados, incluindo uma resposta rápida a novos alertas.

Figura 1.: Levantamento ZTF: região do céu observada. Crédito da imagem: Divulgação de dados públicos do levantamento (https://www.ztf.caltech.edu/news/public-data-release-1).

Além de ser contemplado com os recursos necessários à participação no evento, o pesquisador concorrerá na qualidade de Investigador Principal a 1000 horas de observação na rede de telescópios do Las Cumbres Observatory, 50 horas observacionais nos telescópios Gemini (Norte e Sul) e 50 horas observacionais no telescópio SOAR. O pedido de tempo, que tem como propósito testar as soluções integradas desenvolvidas por cientistas e programadores no período 2019/2020, também oferece a possibilidade de financiar até 45 mil dólares (aproximadamente 190 mil reais) para a pesquisa proposta para ser desenvolvida.

Figura 2.: Rodrigo Boufleur, pesquisador selecionado para comparecer ao _TOM Toolkit Workshop.

O evento ocorrerá na semana do dia 30 de setembro a 04 de outubro nas instalações do Carnegie Observatories, em Pasadena, Califórnia (EUA).

LIneA e o INCT do e-Universo tem como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey ( DES), Sloan Digital Sky Survey ( SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument ( DESI), e o LargeSynoptic Survey Telescope ( LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional ( ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica ( LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa ( RNP). As atividades do LIneA vem sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.




20 de setembro de 2019

INCT do e-Universo incentiva a equipe a aperfeiçoar o conhecimento da língua inglesa

Desde o dia 6 de agosto de 2019 estão sendo ministradas aulas de inglês presenciais semanais para os integrantes da equipe do INCTLIneA alocados fisicamente no prédio localizado no campus do Observatório Nacional, no Rio de Janeiro.

Ao todo, 19 membros do INCT/LIneA se inscreveram para participar das aulas, ministradas pela professora Marcia Moura (Figura 1), que possui grande experiência no ensino de idiomas para turmas em ambientes corporativos. A identificação do nível dos alunos foi feita através de entrevistas individuais com o objetivo de reunir na mesma turma os alunos com o mesmo nível de conhecimento do idioma, o que levou a criação de três turmas.

Figura 1: A professora Marcia Moura ministrando aulas para turmas no INCT/LIneA.

As aulas estão sendo parcialmente financiadas pelo INCT do e-Universo, sendo que os alunos estão contribuindo com 50% do custo. Esta iniciativa tem como objetivo proporcionar às equipes uma oportunidade de aprendizado e aprimoramento da língua inglesa, uma vez que o domínio deste idioma é muito importante para quem participa em projetos internacionais e interage constantemente com pesquisadores e tecnologistas de diversos países. Uma possibilidade que está em avaliação é a de estender a participação nas aulas para alunos que não ficam alocados fisicamente no campus do Observatório Nacional, através da ferramenta Zoom que o INCT/LIneA utiliza para incluir participantes remotos nas suas reuniões.

LIneA é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos. O LIneA e o INCT do e-Universo também apoiam brasileiros participantes de grandes levantamentos astronômicos, como os projetos internacionais SDSS, DES, DESI, e LSST.




03 de setembro de 2019

Membros do LIneA participam de reunião anual do LSST

De 12 a 16 de Agosto de 2019 foi realizado o encontro anual da colaboração LSST. A reunião contou com a participação de mais de 300 pessoas (figura 1) entre tecnologistas e pesquisadores do projeto sendo uma excelente oportunidade para se ter uma visão panorâmica do progresso nas diferentes áreas de atividade, com ênfase na fase de construção. A reunião consiste um intensa agenda com mais de 100 sessões entre plenárias, paralelas, atividades práticas e encontros informais. Este ano participaram da reunião três membros do LIneA financiados pelo INCT do e-Universo, que procuraram cobrir as sessões de maior interesse dos membros do Grupo de Participação Brasileiro.

Figura 1 – Foto de grupo dos participantes da Nona reunião 9th LSST Project and Community Workshop. Crédito da imagem: LSST.

As plenárias trataram do status da construção do telescópio, cronograma das diversas áreas de atividades, em particular do comissionamento da câmera de teste e do telescópio, destaques das colaborações científicas, e um resumo de todas as sessões paralelas. As sessões paralelas cobriram uma grande variedade de assuntos técnicos do projeto, ferramentas para acesso aos dados (ButlerLSST Science Platformbrokers), planejamento das colaborações científicas e divulgação. Alguns destaques da reunião para os membros do Grupo de Participação Brasileiro (BPG) são:

  • Apesar das recentes mudanças relativas ao direito de acesso a dados estas não afetam em nada o acordo de parceria com o Brasil estabelecido em 2015 e não requer nenhuma ação da nossa parte, ao contrário de outros colaboradores internacionais.
  • Existe ainda a possibilidade de obtenção de mais posições, desde que sejam identificadas contribuições de infraestrutura que o projeto considere de interesse. Uma chamada neste sentido solicitando cartas de interesse deve acontecer até outubro.
  • Submetemos, com o apoio da LSST Corporation, à Fundação Templeton um projeto para a implantação de uma rede de telescópios robóticos para a observação de ocultações estelares, cujos alvos aumentarão significativamente na era do LSST.
  • O coordenador do LIneA e o responsável pela câmera do LSST acertaram os detalhes para o desenvolvimento de um visualizador de imagens (figura 2) a ser usado no telescópio cujo protótipo desenvolvido pelo time de TI do LIneA havia sido apresentado anteriormente.
Figura 2 – Visualizador de imagens sendo desenvolvido pelo LIneA para ser usado após a leitura da imagem dos 189 CCDs correspondendo a um total de 3.2 Gpixels. Os números representam a identificação dos CCDs. (Crédito da imagem: LIneA)
  • O coordenador e uma pesquisadora do LIneA se reuniram com a diretora de educação e divulgação científica do LSST para identificar potenciais colaborações nessa área.
  • Foi discutida a possibilidade do LIneA se associar a LSST Corporation, o que traria enormes benefícios na preparação da nossa equipe para a era do LSST.
  • Foi avaliada a possibilidade da ida de técnicos do LIneA ao SLAC para se familiarizar com o banco de dados QSERV.
  • O LSST é uma realidade. Um cronograma (figura 3) para os próximos três anos (2020-2022) de liberações de dados (imagens e catálogos) obtidos durante o período de comissionamento e verificação científica (figura 4) foi apresentado. Isto coloca uma pressão adicional no LIneA para estar pronto para participar desta oportunidade.
Figura 3 – Cronograma apresentado para as liberações de dados previstos pelo projeto para os pesquisadores com data rights. (Crédito da imagem: LSST)
Figura 4 – Descrição do conjunto de dados que devem ser liberados nos próximos três anos. (Crédito da imagem: Robert Blum)
  • A importância da participação dos membros do BPG no LSST Stack Club, uma reunião remota quinzenal onde os participantes desenvolvem aplicações e tutoriais para o Science Platform (figure 5).
Figura 5 – Interface do LSST Science Platform que será a forma de acessar e analisar os dados do LSST. (Crédito da imagem: LSST)

LIneA é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos. O LIneA e o INCT do e-Universo também apoiam brasileiros participantes de grandes levantamentos astronômicos, como o projeto DESI, o DES e o próprio LSST.




28 de agosto de 2019

Recente progresso na câmera de teste do LSST

No dia 8 de agosto, o perfil do laboratório SLAC (Stanford Linear Accelerator Center) fez uma publicação em seu perfil do Twitter (com mais de 20 mil seguidores) sobre a instalação do primeiro “raft” científico no foco da câmera do Large Synoptic Survey Telescope (LSST) realizada pela equipe do SLAC. O tweet foi repostado pelo perfil do LSST (Figura 1): “A equipe de câmera do LSST instalou o primeiro dos 21 “rafts” científicos – conjunto três por três sensores de imagem de última geração; juntos, eles obterão imagens de 3,2 gigapixels do céu noturno, que, com o tempo, produzirão o maior filme astrofísico do mundo.” Atualmente, o time de TI do LIneA está desevolvendo um sistema de software para a visualização e validação dessas imagens imediatamente após eles serem adquiridas. Um protótipo do software (Figura 2) já foi apresentado a equipe da câmera. Após conversas realizadas com o responsável durante a reunião anual do LSST foi decidido que o objetivo agora é instalar o sistema nos laboratórios de Tucson onde a câmera de teste Comcam, com apenas um raft, está sendo montada para testes. Isto será o primeiro passo para a integração do sistema no laboratório do SLAC onde a grande câmera está sendo montada.

Figura 1: Publicação repostada no perfil do LSST no Twitter.
Figura 2: Interface expviewer sendo desenvolvida pelo time de TI do LIneA para visualização de imagens da câmera do LSST.

SLAC National Accelerator Laboratory é um Laboratório Nacional do Departamento de Energia dos Estados Unidos operado pela Stanford University sob a direção programática do Departamento de Energia dos EUA e localizado na Califórnia.

LIneA é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos. O LIneA e o INCT do e-Universo também apoiam brasileiros participantes de grandes levantamentos astronômicos, como o projeto DESI, o DES e o LSST.




27 de agosto de 2019

O INCT do e-Universo promove semana de treinamento para jovens pesquisadores

Nos próximos dias, na semana de 2 a 6 de setembro, o LIneA e o INCT do e-Universo promovem a primeira edição do “LIneA Bootcamp”, um evento que muito além de mostrar a estrutura e organização do laboratório tem o objetivo de familiarizar novos membros, inclusive do Brazilian Participation Group/LSST, com o funcionamento e os serviços disponibilizados pelo LIneA. O “LIneA Bootcamp” contará com apresentações, tutoriais e aulas práticas preparadas por parte de pesquisadores, membros das equipes técnicas e do grupo de gestão do LIneA.

Figura 1

A equipe técnica e de gestão conta com 26 profissionais de diversas instituições, nacionais e internacionais, que irão abordar diversos temas que vão desde a organização, protocolos e padrões utilizados no LIneA , ferramentas astronômicas disponíveis para a análise de dados, o uso avançado da infraestrutura oferecida pelo laboratório, a criação de pipelines para o uso dos portais científicos, aprendizado e utilização de notebooks a partir da plataforma JupyterLab , colaborações científicas, análise de dados do Dark Energy Suvery, requisitos para a era do LSST, divulgação científica, entre outras atividades.

Figura 2

O evento contará com a presença local e remota de 26 participantes de diversos estados do Brasil e do exterior, oriundos de 14 instituições de ensino e pesquisa. As atividades ocorrerão diariamente no prédio do LIneA localizado no campus do Observatório Nacional, das 9 às 17 horas. Tendo em vista o interesse de ter o maior número de alunos presentes, o INCT do e-Universo está financiando com auxílio viagem e hospedagem a maioria dos participantes.

Quer saber mais? Fale com alguém do nosso comitê organizador. Basta enviar um e-mail para: bootcamp@linea.gov.br.




20 de agosto de 2019

Boas-vindas à colaboradora Julia Gschwend

Dando continuidade às atividades de sustentação do Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA), solicitadas pelo MCTIC no final de 2017, damos as boas-vindas à colaboradora Julia Gschwend (Figura 1), analista de sistemas sênior. Julia é graduada em Física, tem mestrado em Astronomia e está concluindo o doutorado também em Astronomia. Ela é afiliada ao LIneA desde 2012, participa do levantamento Dark Energy Survey (DES-Brazil) desde 2013 e do INCT e-Universo e BPG-LSST desde 2016. Além de membro da colaboração DES, Julia também é builder desde 2016, sendo reconhecida pelos serviços de infraestrutura prestados para a colaboração e creditada nos artigos que utilizam dados gerados com a sua contribuição.

Ainda em 2016, Julia participou da escola NEON de astronomia observacional no European Southern Observatory (ESO), no Chile, que incluiu atividades práticas nos telescópios ESO NTT e Danish 1,54 m. Na ocasião, os participantes tiveram a oportunidade de ter experiência no ciclo completo, desde a preparação da proposta até a redução de dados. Em 2018, ela também participou do Workshop em Visualização e Exploração de Dados na era do LSST, promovido pelo projeto LSST no National Center for Supercomputing and Applications (NCSA), em Urbana-Champaign, nos Estados Unidos, complementando sua formação com especialização nas técnicas e ferramentas mais modernas de exploração e visualização de grandes volumes de dados.

Figura 1: Doutoranda Julia Gschwend no observatório La Silla, no Chile.

Durante a pós-graduação, Julia participou representando o LIneA em diversas edições das reuniões de colaboração, tanto no projeto DES (Barcelona 2013, Urbana-Champaign 2014, Cambridge 2016 e Campinas 2018) quanto no LSST (Tucson, 2018 e 2019). No DES, Julia desenvolveu trabalhos como o artigo que liderou sobre a medição de distância no espaço utilizando o DES, falando sobre as soluções computacionais desenvolvidas no portal científico para a medição de distâncias de galáxias em grande escala, e como este é um desafio importante na astronomia. Atualmente ela é a pessoa responsável pela manutenção e distribuição de catálogos de redshifts espectroscópicos que são utilizados para treinamento e validação de métodos de cálculo de redshifts fotométricos do DES. No LSST, Julia participa da força-tarefa Data Management Stack Club e do grupo de trabalho Galaxies Science Collaboration, onde trabalha na preparação de novos pipelines e na adaptação de métodos existentes para atender à escala da ciência que será feita no novo levantamento.

No início deste ano, a doutoranda participou da 17ª edição do Programa de Verão do Laboratório Nacional de Computação Científica ( LNCC), com cursos de análise de dados e algoritmos e modelos de programação. No evento, Julia deu uma palestra apresentando de forma geral o LIneA e os produtos oferecidos, como as ferramentas de acesso a dados, de visualização e de análise, além de descrever o funcionamento do portal científico para análises do levantamento DES. Na RNP, a analista atuará ativamente no planejamento, desenvolvimento e implementação de um portal de software para utilização de grandes volumes de dados, em catálogos produzidos para a comunidade de pesquisa em Astronomia, com ênfase em pipelines científicos. Utilizará técnicas de ciência de dados para solução de problemas de big science e otimização de workflows, visando garantir a qualidade de catálogos produzidos e a estabilidade dos pipelines envolvidos.

Desejamos sucesso!

LIneA é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos. O LIneA e o INCT do e-Universo também apoiam brasileiros participantes de grandes levantamentos astronômicos, como o projeto DESI, o DES e o LSST.