As boas-vindas para os colaboradores Adriano Pieres e Michel Aguena

10 de fevereiro de 2020 | LIneA

Dando continuidade às atividades de sustentação do Laboratório Interinstitucional de e-Astronomia (LIneA), solicitadas pelo MCTIC no final de 2017, damos as boas-vindas a dois novos colaboradores: Adriano Pieres e Michel Aguena, ambos analistas de sistemas sênior.

blank
Adriano Pieres e Michel Aguena

Adriano Pieres completou sua graduação em Física, mestrado em Ciências e doutorado em Astrofísica (2017) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, sendo afiliado ao LIneA desde 2014. Começou sua participação no Dark Energy Survey (DES) também neste ano (2014) e participa do INCT do e-Universo e do BPG-LSST (Brazilian Participation Group do Large Survey of Space and Time) desde 2016. Até o final de 2018 atuava como pós-doutorando no LIneA.

Adriano tem uma série de artigos publicados sobre objetos compostos por estrelas (aglomerados, galáxias-anãs, streams e sobredensidades estelares), onde analisa as características das estrelas destes objetos, como a sua idade, distância e composição química. Como autor, participou de várias descobertas utilizando dados do DES dentro do grupo de pesquisa da Via-Láctea. Participou de várias missões de observação utilizando o telescópio SOAR (em 2015, 2016 e 2017) na observação de candidatos a galáxias anãs e aglomerados estelares da Galáxia. Além disso, participou de algumas reuniões do Dark Energy Survey apresentando seus trabalhos, como o encontro em Campinas (SP, Brasil) em dezembro de 2018 e o encontro na Universidade de Sussex, em Brighton (UK) em novembro de 2019. Sua vinda para a equipe do LIneA tem o objetivo de promover a implementação de códigos científicos nos computadores do LIneA, aliando seu conhecimento científico com a necessidade da comunidade afiliada em rodar códigos complexos nos clusters de computadores do LIneA.

Michel Aguena possui bacharelado em Física com habilitação em astronomia (2010), mestrado (2012) e doutorado (2017) em Física pela Universidade de São Paulo, e foi pós-doutorando no LIneA. É membro do LIneA e do DES-Brazil desde 2013, e participa do BPG-LSST desde 2017. Além disso, possui o buildership no DES desde 2019, um reconhecimento pelos serviços de infraestrutura prestados para a colaboração onde é creditado nos artigos que utilizam dados gerados com a sua contribuição. Também é membro pleno da Dark Energy Science Collaboration (DESC), subgrupo do LSST, onde tem participação de voto na eleição do porta-voz e do conselho da colaboração.

Michel também tem um histórico de astrônomo desde jovem. Foi medalista da Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) diversas vezes e até ganhou medalha na Olimpíada Internacional de Astronomia (IAO, sigla em inglês). Em 2002, participou da V OBA enquanto cursava a 8a série (9o ano hoje) do ensino fundamental com recebeu medalha de prata. Após a participação na segunda etapa da OBA, ficou entre os 5 alunos selecionados para representarem o Brasil na VIII IAO. Essa edição da olimpíada internacional, realizada em 2003 em Estocolmo, onde Michel conseguiu medalha de Bronze. Nos anos subsequentes de 2003, 2004 e 2005, também participou da OBA, recebendo medalha de ouro em cada edição. Durante essas edições, não pode mais concorrer na seleção para a fase internacional devido ao corte de idade imposto. Porém, continuou participando da olimpíada, auxiliando no treino dos alunos selecionados como monitor nas segundas fases (São Pedro 2003, São Pedro 2004, Águas de Lindoia 2005, Atibaia 2006).

blank
Medalhas da OBA e certificado de medalha de bronze na IAO (esquerda) recebidos por Michel. Foto das equipes participantes da VIII IAO em Estocolmo, Suécia (direita). Michel está na primeira fileira, terceiro á direita, segurando um livro.

Sua principal linha de pesquisa são os aglomerados de galáxias e sua aplicação em cosmologia. Ele participou de diversos encontros das colaborações do DES (Barcelona 2013, Madrid 2015, SLAC 2016, Chicago 2017, Texas 2018, Campinas 2018, Filadélfia 2019 e Sussex 2019) e do DESC (Pittsburgh 2018, Edimburgo hack-week 2018, Berkeley 2019, Paris 2019) representando a colaboração brasileira e o LIneA. No contexto do DES, Michel representa o grupo brasileiro de aglomerados, cujo foco é a detecção de aglomerados ópticos baseados em redshifts fotométricos e sobre-densidades. Além disso também participa nos esforços para a obtenção de vínculos cosmológicos utilizando-se aglomerados de galáxias. No DESC, participa no desenvolvimento do principal software para o uso de lentes gravitacionais do grupo de aglomerados, e também pretende participar da detecção de aglomerados.

O LIneA é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC), e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP), criado com a finalidade de dar suporte à participação brasileira em levantamentos astronômicos. O LIneA e o INCT do e-Universo também apoiam brasileiros participantes de grandes levantamentos astronômicos, como o projeto DESI, o DES e o LSST.

Comentários estão fechados.