Cientistas do LIneA participam de reunião do DES organizada pela Universidade de Sussex na Inglaterra

20 de dezembro de 2019 | LIneA
blank

Entre os dias 4 e 9 de novembro realizou-se a reunião da colaboração Dark Energy Survey na Universidade de Sussex, localizada na cidade de Brighton, no Reino Unido. O evento, que acontece semestralmente desde o início do levantamento, tem como objetivos o compartilhamento de resultados com ampla discussão, uma melhor integração dos cientistas que colaboram remotamente, além de reuniões específicas para o alinhamento e tomadas de decisões que impactam os projetos científicos cobertos pelo DES.

Nesta edição, foram discutidos os detalhes do processamento dos dados do último ano de observações, já finalizado, em preparação para a liberação final dos dados para o público, que está prevista para ocorrer em Janeiro de 2021. Também foram discutidos os resultados parciais que já foram atingidos com os dados dos primeiros anos.


Quatro cientistas brasileiros participaram desta edição da reunião com apoio do INCT do e-Universo e apresentaram palestras com os resultados de seus trabalhos. Os temas centrais das pesquisas incluem a confecção e apresentação dos mapas com as principais informações sobre a cobertura do levantamento, detecção da rotação de TNOs (Objetos Transnetunianos) em grandes intervalos observacionais, estudo da evolução da função de luminosidade de galáxias, e os resultados de um novo software que detecta aglomerado de galáxias, aplicado aos dados do primeiro ano de observações.

Os mapas sistemáticos apresentados por Adriano Pieres mostraram como foi a cobertura do levantamento em termos de tempo de exposição, das condições da atmosfera, e de vários outros atributos inerentes às observações durante os seis anos de coleta de dados. Além disso, foi feita uma comparação com os atributos da liberação de dados do terceiro ano, mostrando a evolução do levantamento ao longo do tempo. Estes mapas sistemáticos foram produzidos nos computadores do LIneA e representam a síntese do Dark Energy Survey, pois compilam os dados do começo ao final das observação da Câmara de Energia Escura (DECam). Com base nestes mapas, por exemplo, podem ser construídos catálogos com maior qualidade do que a média das observações, objetivando resultados científicos mais acurados, além do catálogo geral de todo o levantamento necessário para qualquer estudo científico.

Durante a reunião houve apresentação de trabalhos nas sessões paralelas. Na reunião paralela do grupo de Milky Way, vários trabalhos foram apresentados para o conhecimento de seus pares, como artigos prestes a serem publicados sobre análises químicas de estrelas no entorno da Galáxia, resultados sobre simulações de galáxias-anãs, etc. Uma discussão produtiva foi feita sobre as atualizações de artigos feitos com dados de releases anteriores e suas possíveis atualizações com liberações de dados mais recentes. Na interação com o grupo, outros trabalhos começaram a ser iniciados, como por exemplo, a aplicação de aprendizado de máquina à distinção entre estrelas e galáxias. Este é um problema recorrente nos levantamentos fotométricos profundos do céu, pois o formato observado de galáxias muito distantes se assemalha muito ao das estrelas, tornando difícil a obtenção de amostras puras de estrelas e galáxias,

Nas sessões de aglomerados de galáxias, foram discutidos os resultados cosmológicos baseados no primeiro ano de observação e o planejamento das análises para os dados do terceiro ano. Entre elas estão principalmente a calibração de efeitos observacionais na estimativa da riqueza de aglomerados e possíveis vieses decorrentes de usar coletâneas específicas de dados. Além disso, a colaboração apresentou interesse em investigar aglomerados com contribuições menores da sequência vermelha de galáxias, ou mesmo sua ausência, que poderiam ser detectados pelo software desenvolvido pela equipe brasileira.

Há também dentro da colaboração estudos de objetos móveis e transientes. Dentre vários assuntos discutidos, resultados de levantamentos feitos a partir de alertas do LIGO (Laser Interferometer Gravitational-Wave Observatory) foram abordados e também simulações para detectar a assinatura orbital de um nono planeta no Sistema Solar. Em particular, foram apresentados resultados da rotação para quase uma dezena de TNOs, que tendo sido observados por longos períodos complementam um espaço não conhecido sobre a existência de rotatores lentos.

De volta da reunião a equipe brasileira agora foca sua atenção na análise dos dados completos dos seis anos de observação, reve o desempenho de seus algoritmoos de análise e se prepara para distribuir os dados do DES a partir de suas próprias máquinas e usando seu próprio software atualmente disponível somente no NCSA.

LIneA e o INCT do e-Universo tem como missão apoiar a participação de pesquisadores associados a instituições brasileiras em grandes levantamentos astronômicos, como os projetos Dark Energy Survey (DES), Sloan Digital Sky Survey (SDSS), Dark Energy Spectroscopic Instrument (DESI), e o LargeSynoptic Survey Telescope (LSST). O LIneA, criado em 2010, é um laboratório apoiado pelo Observatório Nacional (ON), pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC) e pela Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP). As atividades do LIneA vem sendo apoiadas ao longo dos anos pelo MCTIC, FINEP, FAPERJ, FAPERGS e a FAPESP. O programa INCT tem o apoio do CNPq, CAPES, e FAPERJ.

Comentários estão fechados.