Discutindo Tecnologia no LIneA: Desafios e Perspectivas

15 de janeiro de 2018 | LIneA

No dia 20/12 foi realizado o “Dia de TI”, com aproximadamente 35 participantes (Figura 1) entre tecnologistas, estudantes, pesquisadores e convidados da RNP. Na ocasião foram revistas as principais metas alcançadas em 2017 na área de tecnologia do LIneA, revistos os planos e os desafios a serem enfrentados pela equipe nos próximos dois anos.

Além disso, a reunião teve como objetivo compilar material para o relatório anual do LIneA, alinhar o time de TI com as datas de entregáveis para o ano de 2018, discutir as dificuldades encontradas em 2017 e formas de mitigar estes problemas, discutir a elaboração de um cronograma para 2018 e apresentar o trabalho e as pessoas responsáveis pela operação e desenvolvimento de software sendo feito ao pessoal da RNP que participou do evento.

Algumas das principais conclusões do encontro foram:

  • A compreensão de que para manter os compromissos assumidos, dar a necessária sustentação ao vários produtos entregues como: i) os sistemas Quick Reduce em operação no CTIO para análise de dados da câmera DECam; ii) o sistema de tempo real Quick Look Framework a ser operado no KPNO para analisar os dados dos 10 espectrógrafos do instrumento DESI; iii) o LIneA Science Server em operação no NCSA; e iv) o Science Portal para a preparação de dados para análise científica, será indispensável o crescimento do time, que atualmente conta com seis tecnologistas em tempo integral e sete em tempo parcial, e a contratação de profissionais com diferentes expertises daquelas disponíveis no time.
  • A necessidade dos grupos de trabalho terem o apoio de bons programadores científicos dedicados ajudem na melhoria do desenho e implementação dos códigos científicos desenvolvidos para a análise de pequenas amostras e colaborem com o time de TI do LIneA na permanente e contínua integração e paralelização desses algoritmos no portal que permitam tratar com o grande volume de dados previsto para o LSST com o número de objetos variando de 450 milhões no caso do DES para 18 bilhões no caso do LSST. Estes times devem se empenhar na identificação e contratação desses profissionais aliviando assim as tarefas do LIneA.
  • A necessidade urgente de iniciar um processo de reposição de hardware tendo em vista o envelhecimento da infraestrutura atual.
  • O reconhecimento da complexidade do trabalho sendo conduzido pelo LIneA que envolve além do desenvolvimento de software descrito acima, a manutenção destes sistemas, o monitoramento de sete sítios (CTIO, KPNO, LCO, Fermilab, NCSA, PoP -RJ, LNCC), apoio a usuários e sistema de helpdesk com quase 2000 tickets no ano de 2017, criação de pacotes de software, instalação de bibliotecas, organização de webinars, e manutenção e operação de um centro de dados para processamento e distribuição de dados do projeto SDSS, catálogos de valor agregado, predições de ocultações de TNOs e futuramente dos dados do DES.

A proposta de organograma feita por um consultor contratado pelo LIneA apresentada na Figura 2, revela esta complexidade e o desafio na gestão do LIneA que precisa reconciliar seus compromissos com sua realidade institucional e limitações orçamentárias. O objetivo último deste esforço é o de preparar a infraestrutura necessária de hardware e software para o aproveitamento científico por pesquisadores brasileiros nas inúmeras oportunidades oferecidas pelos projetos de ponta como o projeto DESI e LSST que terão início nos próximos dois anos.

Vídeos das apresentações podem ser encontrados neste link.

blank
Figura 1 – Vista do auditório do Observatório Nacional onde foi realizada a reunião de TI. A reunião teve ainda a participação de vários colaboradores em outros estados do Brasil como DF, São Paulo e Rio Grande do Sul.
blank
Figura 2 – Organograma apresentado durante a reunião que procura refletir a grande variedade de atividades sendo realizadas pelo LIneA.

Comentários estão fechados.