Comunidade Chilena se prepara para o LSST

05 de janeiro de 2018 | LIneA

Da mesma forma que o grupo brasileiro BPG-LSST, a comunidade Chilena se prepara para o início de operações do Large Synoptic Survey Telescope. Como parte deste esforço foi realizada nas excelentes dependências (Figura 1) do Instituto de Física e Matemática da Universidade do Chile a reunião III Workshop LSST: Towards Science in Chile with LSST. A reunião contou com mais de 100 participantes (Figura 2 e 3) incluindo vários membros da colaboração LSST.

Além das apresentações plenárias, ao longo da reunião foram realizados vários tutoriais (Figura 4) principalmente de como utilizar Jupyter notebooks para processar imagens e acessar dados no NOAO Data Lab e o trabalho sendo realizado pela comunidade chilena no desenvolvimento de um sistema de classificação de transientes. É estimado que por noite serão gerados 10 milhões de alertas e esta informação será enviada para no máximo 5 sítios que serão responsáveis pela classificação do tipo de transiente e podem colaborar na coordenação de observações em múltiplos telescópios para os casos de maior interesse (ex., supernovas), de eventos raros (kilonovas), ou desconhecidos.

A reunião teve também a participação do coordenador do LIneA como observador. O objetivo foi estreitar a comunicação com esta comunidade vizinha em busca de possíveis áreas de colaboração e idéias para a organização de uma workshop similar no Brasil.

blank
Figura 1 – Exterior do auditório do Instituto de Física e Matemáticas da Universidade do Chile onde foram realizadas as sessões plenárias.
blank
Figura 2 – Foto do grupo de participantes no subsolo do prédio onde estão localizadas várias salas de aula onde foram realizados os tutoriais.
blank
Figura 3 – Interior do auditório na abertura da reunião. O palestrante era o Diretor do programa de Astronomia do CONICYT.
blank
Figura 4 – Uma das várias aulas práticas sobre o uso de Jupyter notebooks para classificação de transientes, o uso do software stack desenvolvido pelo LSST e acesso aos dados do NOAO utilizando o NOAO Data Lab. Todos os tutoriais tiveram uma expressiva participação da comunidade.

Comentários estão fechados.