Artigo detalha objetivos da Fase IV do Projeto SDSS

11 de julho de 2017 | LIneA

A edição de julho do Astronomical Journal traz importante artigo sobre a quarta fase do levantamento Sloan Digital Sky Survey ( SDSS-IV). Nesta etapa, 14 astrônomos brasileiros apoiados pelo LIneA e INCT do e-Universo estão participando ativamente das pesquisas e são coautores do artigo publicado. Em particular, o LIneA é responsável por toda infraestrutura computacional para o instrumento APOGGE-2S, instalado no Observatório de Las Campanas, Chile ( ver aqui). O laboratório também cuida da distribuição de dados do projeto para a comunidade brasileira, e também para a comunidade internacional, como forma alternativa.

As primeiras observações realizadas pelo SDSS ocorreram em 1998 e, desde então, o projeto passou por três fases. O sucesso e longevidade de duas décadas de trabalho são frutos da forma de colaboração estabelecida por cientistas e pesquisadores no andamento do programa. Com centenas de participantes, foi necessário desenvolver novas regras de interação para que o esforço de astrônomos, cientistas, engenheiros e técnicos de diversas áreas apresentasse resultados positivos.

Diante do farto volume de informações científicas apresentadas na publicação é interessante citar os três levantamentos espectroscópicos realizados:

  1. APO Galactic Evolution Experiment 2 ( APOGEE-2) – A continuação do projeto SDSS-III/APOGEE vai ocorrer pelo acúmulo de mais espectros de alta resolução no infravermelho próximo. O espectrógrafo, que já está em operação no Apache Point Observatory (APO), continuará parcialmente dedicado ao projeto APOGEE-2N (ver Figura 1). Enquanto isso, uma réplica deste instrumento está instalada no Observatório de Las Campanas (LCO), no Chile, para cobrir o hemisfério sul equatorial, no que chamamos de APOGEE-2S. Ao final, espera-se em torno de 500.000 estrelas com espectros obtidos, resultando em velocidades radiais e abundâncias químicas com a mesma precisão do que no APOGEE-1.
  2. Mapping Nearby Galaxies at APO ( MaNGA) – O principal objetivo deste projeto é compreender o estágio atual da evolução das galáxias, por meio de características advindas de sua formação e de seu crescimento através de formação estelar e fusão de galáxias. O projeto MaNGA realiza observações de cerca de 10 mil galáxias próximas com o objetivo de mapear propriedades físicas do gás e das estrelas nestes objetos. As observações espectroscópicas são realizadas no Apache Point Observatory (APO), observatório astronômico localizado em Sunspot, nos Estados Unidos. O MaNGA usa vários conjuntos de fibras óticas bem agrupadas para análise da estrutura visível de cada uma das 10 mil galáxias próximas a serem mapeadas. Isto difere este projeto da maioria dos estudos atuais, que utilizam observações espacialmente resolvidas de objetos individuais ou observações de uma única abertura em amostras maiores de galáxias, mapeando, assim, somente as propriedades integradas das galáxias.
  3. Extended Baryon Oscillation Spectroscopic Survey ( eBOSS) – O eBOSS está conduzindo observações cosmológicas usando o espectrógrafo BOSS no Observatório Apache Point. Estas observações estão sendo feitas simultaneamente com o Time Domain Spectroscopic Survey (TDSS) para estudos de variabilidade e com o Spectroscopic Identification of eROSITA Sources (SPIDERS) para estudos de fontes de raios-X. O eBOSS completará um intervalo de observações ainda não explorado por outros levantamentos tridimensionais, produzindo o maior volume de dados do Universo.
Figura 1 – Concepção artística da região a ser observada pelo projeto APOGEE. Crédito da imagem: Dana Berry / SkyWorks Digital Inc. e a colaboração SDSS.

Comentários estão fechados.