DES disponibiliza dados de 3 anos de observações

10 de fevereiro de 2017 | LIneA

Às vésperas da 25ª reunião da colaboração internacional Dark Energy Survey (DES) realizada no período de 12 a 16 de Dezembro de 2016 na Universidade de Cambridge, Inglaterra, o grupo responsável pela redução de dados do levantamento DES, localizado no National Center for Supercomputing Applications, disponibilizou imagens e catálogos das observações acumuladas ao longo das três temporadas de observação (2013-2016) para o uso interno da colaboração.

Os dados consistem de 10.346 regiões de 0,52 grau quadrado, conhecidas como “tiles” (ladrilho), nas quais de 4 a 6 exposições foram obtidas com cada filtro (grizY), cobrindo uma área total de 5.000 graus quadrados. A Figura 1 mostra a distribuição desses “tiles” preenchendo completamente a região do levantamento do projeto. A parte de baixo corresponde ao Hemisfério Sul Equatorial celeste, onde se concentra a cobertura do DES. A faixa elongada no Equador Celeste é a chamada Stripe 82, que é comum entre o DES e um outro levantamento, o Sloan Digital Sky Survey (SDSS). Esta imagem é retirada da ferramenta “Sky Viewer” desenvolvida pelo LIneA e disponível para uso da colaboração, no NCSA. Para cada “tile”, imagens de 10000×10000 pixeis (0,73 grau x 0,73 grau) estão disponíveis no formato FITS para cada um dos 5 filtros (g, r, i, z, Y). Além disso, também está disponível a imagem usada para a detecção de fontes, formada pela soma das imagens nos filtros r, i, z.

Destas imagens foram extraídos aproximadamente 400 milhões de objetos com medidas de posição, fluxo e forma nos filtros acima, disponíveis numa tabela no banco de dados do NCSA.

 

blank
Figura 1 – Região do céu com observações para o DES. As imagens para cada “tile” podem ser examinadas, bem como o catálogo de objetos identificados clicando-se na posição de um dos quadrados que representam os tiles (nesta figura esta facilidade não está funcional), e usando os recursos da ferramenta Visiomatic desenvolvida por E. Bertin integrada ao Sky Viewer desenvolvido pelo LIneA.

Comentários estão fechados.