Home

APOGEE-2

APO Galaxy Evolution Experiment North and South

apogee2_01
Figura 1. Painel da esquerda: Visão panorâmica do céu visível do APO (hemisfério norte, figura de cima) e do LCO (hemisfério sul, figura de baixo), mostrando a complementariedade entre ambos os sítios de observação e a melhor cobertura das partes centrais da Galáxia pelo APOGEE-2S. Painel da direita. Na figura de cima vemos a cobertura no céu das placas amostradas pelo APOGEE-1 e no painel de baixo o total previsto após a conclusão do APOGEE-2. Figura extraída da descrição do projeto SDSS-IV/APOGEE.

A continuação do projeto SDSS-III/APOGEE vai ocorrer pelo acúmulo de mais espectros de alta resolução no infra-vermelho próximo. O espectrógrafo já em operação no Apache Point Observatory (APO) continuará parcialmente dedicado ao projeto APOGEE-2N. Enquanto isso, uma réplica deste instrumento será instalada no Observatório de Las Campanas (LCO), no Chile, para cobrir o hemisfério sul equatorial, no que chamamos de APOGEE-2S. Ao final, esperam-se em torno de 500.000 estrelas com espectros obtidos, resultando em velocidades radiais e abundâncias químicas com a mesma precisão do que no APOGEE-1.

A extensão do levantamento APOGEE para o hemisfério sul equatorial será crucial para cobrir as regiões centrais da Galáxia, onde situam-se o bojo e a barra interna, bem como para atingir o outro lado do disco Galáctico. São regiões ainda pouco exploradas, em função do obscurecimento da luz pela poeira do meio-interestelar e das maiores distâncias das estrelas ao Sol.

O acúmulo dos espectros no norte equatorial, através do APOGEE-2N, permitirá estender a amostra em comum com o campo continuamente observado pelo satélite asterosismológico Kepler, sendo que a combinação dos dados espectroscópicos do APOGEE com as curvas de luz do Kepler permitirá inferir parâmetros estelares com precisão inigualável, entre eles as idades, massas e tamanhos das estrelas. Tal amostra servirá de teste para modelos de evolução estelar e propiciará importantes vínculos ao processo pelo qual nossa Galáxia se formou.

Finalmente, a obtenção de diversas medidas de velocidade radial para um grande número de estrelas, permtirá a identificação de um grande número de sistemas binários e múltiplos, assim como de sistemas contendo objetos de massa subestelar, como anãs marrons e planetas.